Medida da fluorescência intrínseca do triptofano nas leitoras de microplacas multi-mode SpectraMax i3 e SpectraMax iD3

ID Artigo

ID Artigo HE209

Data da Publicação

Data da Publicação 10/08/2020
Imprimir
Pergunta ou Título
Medida da fluorescência intrínseca do triptofano nas leitoras de microplacas multi-mode SpectraMax i3 e SpectraMax iD3
Resposta

A fluorescência intrínseca das proteínas ocorre devido aos aminoácidos aromáticos triptofano, tirosina e fenilalanina. O triptofano, que excita no máximo em torno de 270-280 nm e tem um pico de emissão próximo a 350 nm em água, domina a emissão de proteínas e é o mais sensível à polaridade do solvente e ao ambiente local. A exposição de resíduos de triptofano à água, que ocorre quando uma proteína é desnaturada, leva a uma mudança para comprimentos de onda de emissão mais longos. Esta mudança no pico de emissão pode ser usada para monitorar o desdobramento da proteína.

As notas de aplicação demonstram o desempenho das leitoras de microplacas multimode SpectraMax i3 e SpectraMax iD3 para ensaios que medem a fluorescência de triptofano intrínseca. A alta sensibilidade é demonstrada com uma curva padrão de triptofano, e uma mudança no pico de emissão é mostrada usando um ensaio de desnaturação de lisozima. A lisozima contém dois resíduos de triptofano que fluorescem quando excitados com luz ultravioleta. Quando a lisozima é desnaturada, o pico de emissão do triptofano muda cerca de 6-10 nm. Este deslocamento de pico pode ser medido realizando varreduras espectrais de fluorescência em lisozima nativa e desnaturada. O SoftMax® Pro Software pode identificar automaticamente os picos de emissão e calcular a mudança de pico, otimizando a análise.

https://www.moleculardevices.com/en/assets/app-note/br/intrinsic-tryptophan-detection-with-spectramax-i3-multi-mode

https://www.moleculardevices.com/en/assets/app-note/br/measure-intrinsic-tryptophan-fluorescence-on-spectramax-id3-microplate-reader